terça-feira, novembro 18, 2014

Vício

.
Há em mim um fantasma. Não pesa no peso morto, é chumbo na alma. Seja a alma ou seja eu.
.
Nos dias do sangue triste, é mercúrio o que corre nas veias. Pregado no leito esperando a morte, como as crianças anseiam pelo Natal. Pregado no leito chamando a morte.
.
Indolente ou procrastino, sonho e desejo a banheira como mar onde desagua o sangue, de ferro ou mercúrio.
.
Palhaço patético, agarrado às promessas que faz – credulidade das crianças – de que amanhã será melhor do que hoje.
.
O amanhã volta com hoje, ontem, anteontem, antes de anteontem, espiral de dias em vertigem. Dias iguais e memória, talvez falsa, de que se foi feliz.
.
Em mim navega – navego – um navio espectral, cortando a dor das lágrimas secas.
.
É o mar que dói. As feridas da água curam-se, reúnem-se e apagam-se. É infinito o espaço e o tempo em que a nave rompe em dor.
.
Ainda o Sol, é noite de Lua Nova e destino antigo – promessa-castigo abraço firmemente, com a força dos miúdos a segurarem o urso de peluche.
.
Vício de tristeza saciado de dor. Fugisse eu.
.
Fugisse eu, pregado no leito. Não fugisse eu da fuga, em indolência e procrastinação, pregado no leito.

Sem comentários: