domingo, novembro 02, 2014

Viagra de palco e outra canção

«Eu não quero ser a luz que já não sou. Não quero ser primeiro, sou o tempo que acabou».
.
.
.

.
A primeira metade da década de noventa foi-me muito especial. Além das intimidades, que ficarão de fora, lembro-me de dois marcos nesses cinco anos iniciais: a luta pelas gravuras de Foz Côa e o furacão Pedro Abrunhosa.
.
Pedro Abrunhosa não surgiu do nada. Músico ligado ao jazz há muitos anos, quis ganhar dinheiro – com todo o direito. Prince estava a apagar-se, poucos notaram (não notei), e a sua banda de metais electrizou o álbum «Viagens», desse músico do Porto.
.
Ainda comprei o segundo álbum, mas senti uma coisa mole, chata e que nem me agarrava pelas orelhas por um instante. Já o célebre tema «Talvez foder» achara um despropósito. Não por pudor, mas por gratuitidade e indigência.
.
Em casa de amigos ouvi, de passagem, Pedro Abrunhosa e confirmei o que achara com o segundo disco: mole.
.
Ontem, sentado a trabalhar, propus-me a ouvir Pedro Abrunhosa em espectáculo. Para saber se a minha convicção estava errada. Pois, não estava. O homem é um animal de palco, tem imensa pica. Mas…
.
Pedro Abrunhosa em palco continua a ser uma coisa mole, mais mole do que em disco. Todavia, está cheio de pica. Para mim, é Viagra. O concerto que está no youtube, gravado ao vivo no Coliseu do Porto em 2011, dura duas horas de moleza de picha tesa. Viagra!
.
Já se sabia que Pedro Abrunhosa não sabe cantar. Não é novidade e esse não é o defeito. O defeito é às vezes já não conseguir entoar. À moleza soma-se mais do mesmo, tanto faz a melodia ou a harmonia, é chapa quatro. Não consegue dar mais.
.
As letras consumíveis – sobretudo devido aos metais do Prince – tornaram-se quase sempre em repetições, delas mesmas e dos seus lugares-comuns. As letras de Pedro Abrunhosa são duma banalidade preguiçosa, muitas, se lhe tirarmos a música, são mesmo pirosas. As letras de Pedro Abrunhosa são como as de João Pedro Pais, mas em vez de adolescentes, são de jovens adultos.
.
Ao ver e ouvir as mais de duas horas de concerto, percebi que Pedro Abrunhosa é um boneco. Não é uma caricatura, nem hoje é uma reinvenção. Pedro Abrunhosa é uma mistura dele mesmo com ele próprio. Depois junta uma pitada de Paulo Gonzo – artista cuja carreira não entendo – e de azeiteiro.
.
Azeiteiro? Sim, azeiteiro. Todos sabemos que no palco se dizem coisas como na cama:
.
– Tu és maravilhosa, nunca estive com ninguém como tu.
.
Os elogios ao público, os piropos que manda para a plateia e as declarações de amor à cidade não chegam a tolas, são azeiteiras. A este respeito refiro que as reacções do público não seguiram totalmente o esperado. Felizmente, havia mesmo muita gente inteligente naquela noite no Coliseu do Porto.
.
A crítica de música não é a minha actividade. Não é, não foi e duvido mesmo muito que alguma vez seja. Por isso, para não escrever mais um texto a zurzir num artista de palco, aproveito este para apresentar uma revelação. Comentarei muito pouco, pois deixarei o vídeo, porque «fala» muito melhor do que eu.
.
David Fonseca tem um ar simpático, parece-me ser um tipo fixe e sempre ouvi dizer bem dele como pessoa. Ouvi-o primeiro, como a generalidade dos portugueses, com os Silence 4 e depois a solo. Aqui há dois reparos e uma consideração: as letras são péssimas e não gosto do modo como canta. Mas ressalvo, que isso é meramente uma questão de gosto.
.
Porém, numa infelicidade qualquer, fui parar, no youtube, a um dueto entre David Fonseca e Luís Represas. O que o produtor consegue maquilhar no estúpido surge cru numa actuação ao vivo!
.
David Fonseca não sabe cantar. Tem um timbre bonito e ainda que não goste do modo, não deixará de não saber cantar. É doloroso e causa vergonha alheia. Aguenta-se uns instantes e desaba ribanceira abaixo.
.
.
.
Nota 1: Continuo a gostar muito do álbum «Viagens», do Pedro Abrunhosa.
.
Nota 2: Para os curiosos – dos mórbidos aos preguiçosos – fica a dica: No livrinho do álbum «Viagens» há uma fotografia de Pedro Abrunhosa com os olhos a nu.
.
.
video

Sem comentários: