segunda-feira, fevereiro 20, 2017

Todos os dias

.
Nem todos os dias será hoje nem sempre é para sempre
.
Já se inventou tudo e ainda o vazio que se agarra ao coração-cabeça, tenho-o nas mãos e sem o poderem segurar, e seguram.
.
Já se inventou tudo, infelizmente, e infelizmente não o fim, nem o fim apenas para mim.
.
Sem fim e sem dias, os meus, sem futuro, virão pesados.
.
Não temo a loucura nem receio o abismo dos nervos. Este vómito do coração-cabeça é o oitavo passageiro, a crise de mil-novecentos-e-vinte-e-nove, o monstro de Mary Shelley, o lobisomem do caminho entre a aldeia e a cidade, a cabra velha medieval e os deuses dos castigos.
.
Sei da sua surdez como não ser mudo, as suas orelhas ouvem como se as minhas palavras passassem noutra rua.
.
Cortinas pesadas de veludo teatral espaldam o drama, ocultando a pulsão trágica.
.
O coração-cabeça sorve-me como o mendigo a sopa numa noite de caridade.
.
Se ninguém é recluso, se depois dos muros há uma cidade livre, se vivem próximos, estou de sentido, imóvel como a estátua na praça deserta, no lado de fora.
.
Não, não é tragédia. Não, é o meu drama, comédia para alguém. Visto de longe, sou patético como se bradasse verdades na ágora, vestindo ceroilas e na cabeça o elmo de Quixote.
.
A maior parte de mim é remorso.
.
O remorso é pior do que a saudade e diferente o arrependimento, um alívio. Cada suspiro de remorso é um fantasma num lugar a preto e branco. O remorso é não ter as vítimas para lhes dizer do arrependimento.
.
O sangue do coração-cabeça é a septicémia do coração-cabeça-estômago-fígado-pulmão, é castanho e amarelo, fervendo de frio, a vida acabada no corpo teimoso.
.
Tanto faz diante dos cegos e dos surdos.
.
Sou invisível, sou mudo, sou fantasma, tanto faz que urine contra o vento.
.
Além há um rio de rosas.

Sem comentários: