quinta-feira, janeiro 05, 2017

Chaves

.
Em torno não há parede. Provisoriamente eterno, declaração de melancolia e procrastinação, um biombo translúcido por onde vem a luz e a sombra, gente e o ardor dos amores deixando-me.
.
Vingo-me numa rebelião, transparento-me  espanco as vírgulas e digo novas palavras, inventadas quase virgens.
.
É nudez como a do Napoleão que, de megafone, anuncia o fim do tempo na maior praça da cidade.
.
Sou o Inferno, sem escada ou porta de abrir para fora.
.
Quanto um sortilégio me alegra sou a tranquilidade sobrevivente da fúria das lâminas e da convulsão do céu e do mar.
.
Quando saio nunca me esqueço das chaves.

Sem comentários: