quarta-feira, janeiro 11, 2017

Antes carapaus de escabeche

.
A banalidade é uma sopa morna. Óbvia como trágica a sopa fria e a exaltada sopa quente. No enfadonhamento ou com as papilas zangadas não há aromas nem sabores e o cheiro e fome passam.
.
A banalidade é vazia. O resfriamento e o escaldamento são fáceis, aos olhos simples são artifícios de vibração elegante ou censura picante.
.
A banalidade é uma sopa com legumes infelizes a boiar ou arroz corno-manso ou massa sem erecção.
.
A banalidade é uma posta de pescada cozida sem sal.
.
A banalidade é o largo da aldeia, onde todos os dias os mesmos bons-dias e a meteorologia.
.
A banalidade é confortável como um cobertor de papa no Inverno e a discrepância é um castelo inútil.
.
A banalidade tanto serve se dita no preparo dos comeres ou se depois nos equívocos do lado em que se devem pôr os guardanapos.
.
A banalidade não está bem com os panos à esquerda ou à direita e contenta-se funcional num efeito de patinho ou de pavão sobre o prato ou à sua frente.
.
A banalidade é a solução para se estar bem à mesa sem se saber estar à mesa.
.
– Aparte digo que prefiro um arroto bruto para dizer do que o bocejo para dentro de quem descobriu o cabelo despenteado aos quarenta e cinco anos.
.
A banalidade é a indiferença que ninguém quer. No entanto, porém e contudo, precavendo sobressaltos, a banalidade é escolher o caminho quieto; há setas, chão-mecânico e, à janela, uma paisagem pré-fabricada engrenada em sentido contrário.
.
A banalidade é o elogio fúnebre. Os mortos são ímpares e de Dantas só se sabe por Almada.
.
É difícil fazer bem uma sopa. Quanto à média, a única que importa é a Idade.

Sem comentários: