sexta-feira, setembro 23, 2016

Tanto

.
Digo alegrias nos dias em que morro, sabendo que a luz será banal. A dor é mar que não devolve.
.
Fogem enjoados, só pressentindo o negrume, pois o negrum sabe quem vive morrendo. Ninguém quer saber e só uma ferida.
.
Sei da impossibilidade da morte, porque morrendo sou em desejo de inexistência.
.
Esquecido por esquecido, se inexistente, basto numa palavra e vão contentes.

Sem comentários: