sábado, agosto 20, 2016

No metropolitano

.
Na carruagem do metropolitano oiço qual a próxima estação e penso e concluo demasiadamente rápido que sei para onde quero ir mas não onde sair.
.
Que seja, reparo nos rostos. Escolho a miúda para pensar e instantaneamente lembro-me do que seria se fosse quem fui, talvez me correspondesse o olhar acrescentado de sorriso, para sentar-me diante e lhe perguntar:
.
– (…)
.
Na verdade, quando é assim, quase tanto faz.
.
Não me vê e desisto antes que a incomode, na vergonha do que não fiz mas pensei.
.
Que me apeie sem susto e chegue onde quero.
.
Se fosse simples e eu quem fui.
.
Como uma fotografia sépia. 

Sem comentários: