quarta-feira, julho 20, 2016

Quatro-mil-quatrocentos-e-oitenta-e-quatro dias de infotocopiável e quatro-mil publicações

.
A vinte e quatro de Março completou dez anos e a dezanove de Julho chegou à publicação quatro mil. Disseram-me:
.
– Também tu tens um blogue?
.
Aqui há flores orvalhadas e outras na luz. Declarações de amor e nunca ódio e ainda tristeza e negrum, que é fundo do que negrume.
.
Vinham para ler amor e foram-se outros para ver no espelho as feridas e mais, muito mais, sexo, por causa de imagens e palavras.
.
Quatro-mil-quatrocentos-e-oitenta-e-quatro dias de infotocopiável.
.
Tanto quanto quatro mil anos. Para a frente, de hoje talvez só a roda. De antes, lembrei-me:
.
O Egipto do Império Médio e a Suméria a desfazer-se, rapidamente em traço tosco.
.
Misturando os dias como se mergulhasse e quase na areia um golpe de tronco e pernas para a subir e entre o ir e o voltar de olhos abertos ver agricultura e a casa e o inventário para depois poesia e antes ou depois a pecuária, já o lobo era cão e o gato atrevia-se.
.
Quatro mil anos são como quatro mil dias são e quatro mil publicações.

Sem comentários: