segunda-feira, julho 04, 2016

Promessa

.
Um dia subi à prancha dos dez metros e apontei os olhos à água e recebi o tiro do arrependimento e o som da vergonha e fitei o horizonte e esqueci-me e na queda lembrei-me de tudo e sobrando tempo desejei acabar a viagem e uma paz ansiosa de azul de bolhas translúcidas passando e antes dos azulejos regressei e no alívio prometi nunca saltar e arrependo-me.

Sem comentários: