domingo, julho 24, 2016

É

,
É possível noite e chuva como dia e luz tanto quanto certas e impossíveis. Depende dos negros luzidios e brancos baços e da forma como se vêem os cinzentos e modo de os pronunciar.
.
A acalmação desponta no pé-de-paz, quando o solo perfurado se permite a ervas e depois árvores. O troar dos canhões num limbo, passado e perene, numa bolha que se colhe para encostar às orelhas, os ouvidos dormentes e a nostalgia do Inferno.
.
Chove atrás da vidraça. A luz cinzenta da rua deserta. A quietude da noite alta.
.
Na rua, só e mal coberto, sapatos salpicados e a melancolia como confidente, cabelos e ossos.
.
Nem cão, só gato friorento num resguardo e infeliz, carente de colo e precisado de fuga.
.
A noite é dos gatos e da Lua. É minha nas insónias tristes que permito e se impõem, a preto e branco de luz cinzenta, atrás e fora do vidro.
.
A melancolia é minha predadora e me alimenta.
.
Vivo por aqui, aí nesse sítio, quando e sempre.
.
.
.
Nota: Gostaria de ter escrito «A realidade é um lugar estranho», mas tantos lugares estranhos foram escritos.
.
Nota: Não foi possível identificar a autoria desta fotografia. Se alguém souber o nome do fotografo agradeço que me informe, de modo a atribuir-lhe os créditos.

Sem comentários: