sexta-feira, fevereiro 26, 2016

A chuva não é azul

.
Vinte vezes outro, não porque chove. À janela está o gato melancólico, tira-me palavras e ocupa-me. Se estivesse lá fora, molhado e patético como um gato molhado, a lentidão da indiferença seria a da escuridão cavada, desta masmorra de porta aberta, sem outro silêncio .
.
A vida é câmara-lenta, da indolência da derrota e do frio desistente e consentido, de mim oferecido a rapaces e ao chão.
.
A mãe não dá colo, vá quando for e vá também – cordão ata-nos, falho abraços, mau filho.
.
Os remorsos que dizem secos apontam-me castigando. A cabeça não sai nem dela saio.
.
Vinte vezes outro ou ir para não ficar.

Sem comentários: