segunda-feira, dezembro 28, 2015

Navio-fantasma

.
Enrolado em lã, da macia, porque dia do gato. Tenho muito para fazer quando não tenho nada para fazer. Destapo-me e dispo-me, olho em contrapicado para a fachada da Catedral de Colónia e os olhos quase não chegam. É isso, a construção da casa e das vozes surgentes na cabeça. O início arrasta horas e a desoras noto a inanição e vou já, e já significa uma paragem depois de horas. Bebo água e acalmo-me quando o mar desce e fica a areia na vista, então deixo a nudez. 

Sem comentários: