sábado, dezembro 19, 2015

Coração patinador

.
Então:
.
– Então, apaixonei-me por ela.
.
– Quem? Quem?
.
– Uma miúda da minha turma…
.
– Como era ela?
.
– Não sei bem o porquê… era cool, tinha pinta, popular e boa-onda.
.
– Mas, fisicamente…
.
– Baixota e… muito bonita.
.
– Como bonita?
.
– Bonita!
.
– O que fizeste?
.
– Não fiz nada. Fui tímido até muito tarde. Em contrapartida, sempre fui muito consciente da realidade e que andar de patins era coisa que escusava.
.
– Assim é que é não tiveste mesmo hipótese.
.
– Nunca teria.
.
– O que aconteceu depois? Esqueceste-a? Cortaste os pulsos? Choraste desalmadamente?...
.
– Suspirei. Suspirei triste. Na verdade, aos treze anos, não sabia o que era isso de namorar – sabia que tinha de haver uma declaração… e se ela aceitasse, o que fazer?... e se ela me desse uma, mais do que provável nega, o que fazer?... E no dia seguinte?... E os intervalos?...
.
– Esqueceste-a?
.
– Apaixonei-me por outra.
.
– Esqueceste-a depressa, à primeira.
.
– Nada! Estava apaixonado pelas duas ao mesmo tempo.
.
– Essa segunda miúda como era?
.
– Loirinha…
.
– Aos treze anos somos muito atraídos por loiras.
.
– A primeira também era loira… aloirada… ouro velho.
.
– Conta-me mais sobre a segunda.
.
– Loira e de olhos azuis… ou seriam verdes?... Penetrantes.
.
– O que fizeste?
.
– O mesmo que não fiz à primeira.
.
– Eram parecidas?
.
– Nada. Em nada. A primeira era cool, a segunda era daquelas muito arrumadinhas. A primeira gostava de desporto. A outra preferia ficar à conversa nos intervalos.
.
– Essas paixões adolescentes… quanto duraram?
.
– O tempo todo em que estive na escola.
.
– Bolas! Isso parece uma coisa de Sempre-Noivo ou de Triste-Viuvinha…
.
– Nada! Fui apaixonando-me por mais. Mais tarde, aos dezassete anos, é que encontrei uma miúda a quem fui capaz de me declarar.
.
– E?...
.
– Ela aceitou.
.
– Quanto tempo durou?
.
– Nem sei. Mas, uma semana depois, fui de férias para o Algarve e comecei a namorar uma alemã.
.
– Don Juan...
.
– Acho que não.
.
– Finalmente esqueceste as outras.
.
– Sim. Mas continuei a apaixonar-me sucessivamente, mesmo tendo namorada… tive muitas, mas também ganhei campeonatos de hóquei em patins.
.
– O quê?
.
– Par de patins.
.
– Ah!
.
– Só atinei aos vinte e três anos.
.
– Quanto tempo?
.
– A partir daqui não digo mais nada.
.
– Porquê?
.
– Não me apetece. Quando esse primeiro amor sério – sérios foram também os outros, no padrão adolescente – terminou voltei a ser namoradeiro e campeão de hóquei no gelo.
.
– Mudaste de desporto?
.
– Sim… mais fácil de cair, de me manter de pé e de me aleijar.
.
– Por isso não contas mais nada a partir de mil novecentos e noventa e três…
.
– Não! De dois mil.
.
– Sabes delas?
.
– Duma, sim. Doutra não.
.
– Compreendo.
.
– Mas, olha. Dessas duas primeiras namoradas… ainda somos amigos. Falamo-nos, não todos os dias ou semanas ou meses, mas várias vezes por ano.
.
– Tá giro, oh patinador.
.
– Depois vi a luz.

Sem comentários: