domingo, novembro 22, 2015

A noite em que cheguei a casa sem saber

.
Cheguei do jantar por volta das três da manhã. Embora não possa garantir o momento, estabeleci-o no dia da véspera. Cheguei e veio a Granita. A Lioz nem sempre recebe e a Paraquedas ainda menos. Já tudo acontecera. Às três horas e dezanove minutos enviei uma mensagem:
.
– Os gatos são fantásticos. Entro em casa e a Governanta, a Granita, recebe-me a miar e a especificar diante da lata que precisa de comida. Bem procuro as outras. Quando vou dar de comida surge a lambisgoia da Paraquedas, mas a Lioz nem se vê nem dá sinal… Há coisa mais linda do que os gatos?
.
Deitei-me e ao acordar estranhei a ausência. Nem chamamento, nem comidinha da boa nem o assobio mágico. Nem fechada na casa de jantar. Procurei atarantado temendo qualquer coisa de indefinível. Até vi o sítio e não a vi. Numa repetição de olhares dei com ela.
.
Gelada, rígida e macia. O meu coração de mãe soube que ali não estava, mas que chorando ao abraçar o cadáver ela me deu torrinhas e ronronou, mexendo-se para saltar e ficar ao mesmo tempo.
.
.
.
Nota: Este texto foi escrito a 26 de Novembro de 2015. De modo a estabelecer um marco, coloquei-a no dia 22 de Novembro, às 3h19m, quando escrevi a dar as novidades.

Sem comentários: