terça-feira, outubro 20, 2015

Manicómico

.
Não morri, mas não me notificaram.
.
Não telefonaram enquanto dormia. Sem sobressalto de alegria ou esperança ou tristeza – derrota.
.
Por vezes de manhã olho pela janela com o sonho da noite preso diante ou sem ver além do que está.
.
Disse a professora de matemática:
.
– Arte é o que se vê ali e está no quadro.
.
Talvez tivesse razão se os olhos se a matemática.
.
Por vezes de manhã olho pela janela com o sonho da noite preso diante ou sem ver além do que está.
.
Tanto faz quando não há mala para arrumar nem para passar a porta, ficar como o que se vê ali e está no quadro.
.
Rir tanto faz e não tem graça.
.
Rir dos doentinhos sem anestesia, Deus queira não sintam. Se Deus quisesse não.
.
Se riso e dor e riem da dor, os doentinhos sem anestesia.
.
O mundo depois da janela é o que se vê. O mundo depois da janela pode espichar-se num quadro – sabia lá ela uma cor quanto mais um tom ou a poeira da pedra ou a câmara-escura.
.
Os palhacitos vivem nos manicómicos – casas de tortura dos conscientes, doentinhos.
.
Odeio palhaços e mais os palhacitos – sina que sobrou.
.
A professora de matemática era peremptória como os ignorantes.
.
Tinha certezas- Provavelmente se eu soubesse de matemática diria:
.
– Pobrezita, pensa que a vida se faz só com números, mesmo diante de Deus ou do aço inoxidável.
.
Há a felicidade e ver depois é complicado e quase tudo.
.
Para lá do vidro para dentro – além corpo, meta-corpo, raciocínio, razão, indefinição, incerteza, consciência, neuroquímicos e alma, desprendimento, liberdade – para lá do vidro.
.
A professora de matemática sentenciou.
.
Não é de riso. Via da janela e a anestesia era-lhe indiferente porque só via.
.
Já morreu, coitada. Ainda cá ando, coitado.
.
No triste manicómico, dos palhacitos e sem anestesia.

Sem comentários: