quarta-feira, outubro 07, 2015

Incapacidade

.
Tenho pensado no conceito de refugiado poético. Não é interessante, obsessivo. Porque tenho uma bola de basquete abaixo do diafragma e frio nos ombros a impacientarem-me.
.
Concluo enfadado que o real é aborrecido e pastoso e o risco do neorrealismo quase inevitável. Não esquecendo as lágrimas que espreitam.
.
Entre a difícil beleza e fácil a fealdade, desisto da agonia que só poucos conseguem dar tempo.
.
Depois de pensar, concluo que qualquer poética rasteja no abismo do piroso ou no suicídio panfletário ou na tristeza da banalidade.
.
Faltam-me neurónios.

Sem comentários: