quarta-feira, outubro 28, 2015

Fé-liturgia-maravilha

.
Não há palavra que junte cheiro de palco e luz de cena. Sou aço mas anseio por magia e engano, suas sombras e vozes.
.
Emudeceram-se as pancadas de Molière, que impunham ordem, e despreza-se Macbeth, fantasmagoria de tragédia e perdição no teatro onde fosse dita se não estivesse em cena.
.
Um dia pensei em deixar-me enclausurar numa igreja e nela passar a noite para saber daquela solidão e (quiçá) conhecer qualquer coisa. Quase aconteceu, um acaso. Adormeci o sonho e lamento ter saído da Sé Patriarcal de Lisboa.
.
.
Não há palavra que junte cheiro de igreja e luz de templo, ainda que as chamas das velas não sejam – até agora as suas pedras, madeiras, telas, óleos, pratas, panos, incenso, ceras e sombras.
.
Incompreendo a fé dos subornos, dos arrogantes pagando aos santos por milagres. Efabulo o aroma da água benta mas inconsigo acreditar.
.
Do zero ao infinito, onde é o sagrado das palavras do sacerdote e onde fica a compreensão dum tempo e motivo.
.
– … gerado, não criado, consubstancial ao Pai.
.
.
Não há palavra para a noite de lua-cheia em que trepei um poste e saltei um muro coroado com arame farpado e me perdi enamorado pela aventura em túneis, torres, fantasias manuelinas, esconderijos, lagos, jardins, cisnes, sombras e sussurros.
.
Nem palavra para isso nem para o cheiro de toda essa noite.
.
.
.
Parágrafos retirados, por alguma redundância, desnecessidade e ineficácia minha. Queira colocar onde entender, se assim o desejar:
.
Não sei como os actores engolem todas as palavras que o cérebro digere e ordena à boca e corpo, nem como os dramaturgos sentem os improvisos. A letra é sagrada e por isso obrigatória ou há a maravilha da dádiva quando alguém a transforma… ou.
.
Não sei como os crentes creem se ouvem, duma voz vazia, o do livro e da representação ritual do que não entendem nem talvez pensem.

Sem comentários: