quarta-feira, setembro 09, 2015

Sebastião

.
A névoa salgada da praia invernal enregela pelo vento que traz vagas cinzentas. A areia húmida engana os tolos, crentes de que serão por séculos.
.
Esses e os outros, os distraídos, acreditam porque as marcas do caminho deixadas por gaivotas impresentes satisfazem o desejo.
.
Mais depressa desembarca o Luís do que o Sebastião.
.
Tolo, estendo-me na areia que a humidade engrossa, alguma chega saltando a roupa, outra aloja-se entre os cabelos ou agarra-se às mãos num desconforto.
.
O frio também é cinzento e fechando os olhos aqueço, porque me esqueço ao ver a ciranda de espectros.
.
O que dizer ao Luís e ao Sebastião? Sei, que virão porque as pegadas na areia são eternas e infinitas – um caminho para um sítio.
.
Uma memória falsa é verdadeira?

Sem comentários: