segunda-feira, setembro 21, 2015

Ostra

.
O cabelo é para sentir, para levantar quando a mão percorre a nuca, às vezes seca e às vezes salgada.
.
A boca beija. A boca bebe. A boca dá de beber. A boca trinca. A boca diz as mentiras febris e as desdiz noutra conversa. A boca diz as verdades. A boca grita. A boca geme. A boca sacia. A voz. A boca começa. Quase sempre salgada. A boca extermina.
.
O nariz engole. O queixo molha-se. O pescoço às vezes salgado.
.
Os seios não existem. Os seios são tudo. Os seios dão-me todo e tudo e para mais. Nos beijos pequeninos, os mamilos são malmequeres. Um pouco mais, uvas de vinho maduras.
.
Como a pele não tivesse fim. O umbigo tem calor, aroma e sal. A colina de Vénus, pele para tocar num mergulho sem dor, quase sempre salgada.
.
Carícias crespas. Carícias de seda-carne. O ácido subtil saciante. Não há aromas iguais. Para mim, caramelo e ferro e junto aos lábios sempre sal.
.
Até ao fim ou apertado num abraço ou como trepadeira. Pés lavados, dez brinquedos. Do fim aos lábios. E dos lábios à boca. Salgado.
.
Antes de tudo mais. E no tudo mais. E depois do mais. E querer mais.

Sem comentários: