segunda-feira, agosto 31, 2015

Palavra-défice

.
O tempo perdido do Verão felizmente não volta. Recluso de angústia e impaciência vivi horas de oito dias e ondas maiores do que.
.
Vou reaprender o tempo, vou. Desdenhar-lhe o valor e envelhecer. Que daqui a um ano esteja mais velho e, se Deus assim mo permitir, menos conhecedor.
.
A palavra-dor é. Como o medo do passar do tempo ou as nostalgias da adolescência.
.
Com todas as dores, as palavras servem. Se penso em défice, sei que superávit.
.
Oxalá não chova antes do frio.
.
Se reencontrados depois de décadas, estamos – quando como nunca tivéssemos deixados de estar.
.
Eu na sala. Eu na mesma. A sala na mesma. Tudo escondido como se arrumado.
.
Foi Agosto e ainda. É ainda e ainda.
.
Quero envelhecer deitado, com a televisão ligada e muitos copos de gelado e colheres e remorsos.
.
Se alguém me pagar as contas. Só essas, só.
.
Um acidente vascular cerebral, um enfarte do miocárdio ou diabetes são os anjos que.
.
Palavra-défice. Ficou tudo por contar. Coisas do mês de Agosto.

Sem comentários: