quarta-feira, julho 15, 2015

Desmomento

.
– E se…?
.
Disse-me no vácuo duma conversa por iniciar. Não chegou a ser suspiro nem sussurro.
.
– E se…?

.
Repetiu e percebi que falava acerca de qualquer coisa a meu respeito, não tendo como certa a minha existência além de.
.
Uma conversa acabada, um pensamento solto, sem início. Eu estava ali, não estando, suspenso do depois.
.
– E se…?
.
Tomei-me por excedentário e afastei-me duma fonte que se recusava a secar-me a sede.
.
Sou um homem-de-papel, personagem em letra impressa e vontade imprecisa. Até onde se chega, quando um ponto final é sucedido pela palavra fim. Não passo pela lombada.
.
Ou isso, ou não entro por direito, intruso que se vale mais do que dão.
.
– E se…?
.
Repetiu novamente, já estava no caminho do sair. Não parei mais do que o tempo necessário para lhe dizer:
.
– E se…?
.
Olhou através de mim. A conversa terminara.

Sem comentários: