segunda-feira, junho 29, 2015

O inenarrável é contável e a tristeza é tóxica – como se fosse o texto derradeiro

.
Nado-morto nasceu, e morto viveu. Deixou de mamar, de arrotar e bolsar. Foi o bebé mais bonito que viram. Havia colos e a avó era outra mãe e a outra mãe era a outra mãe. Ria-se e fez birras, e como sempre essas lembranças apagam-se do pensamento da mãe – de todas as mães.
.
Usou calças-à-boca-de-sino e foi fotografado a preto-e-branco e a cores na praia, no campo na cidade e no Carnaval. Acreditou no Pai Natal até tarde, até depois dos colegas lhe terem assassinado o amigo das barbas. Tinha um olhar doce e a doçura não o defendeu dos pontapés dos colegas de turma, as canelas estavam sempre negras e não se queixava à professora nem à mãe, mas a mãe via e contava à professora que não via nada nem fazia nada para ver.
.
Gostava da praia e teve de engordar por causa do mar, porque uma bactéria dizimara milhões. Era o campeão dos carrinhos-de-rolamentos e jogou mal futebol, mas com os nabos da turma fez uma equipa vencedora e por fim perdeu. Um dia disse mal do melhor amigo e o venerando mais pequeno assinou a declaração com palavras de assentimento, e reconciliado espancou o pobre-diabo, e ficou com dores de arrependimento para o resto da vida. Depois odiou a escola preparatória, um lugar de vómito, e ingressou na secundária, onde continuava gordo e foleiro, embora ténis de marca e roupa com etiqueta, e cresceu em altura, ficou esbelto, bonito e dandy.
.
Namorava e não namorava ninguém e à noite os demónios desengaiolavam a líbido e acontecia sempre qualquer coisa que se poderia chamar de namoro, que durava umas horas, talvez três dias ou até um mês, mas aconchegado em mais afectos e desejos. Na escola decidiu trair a vocação e encontrar passagem noutra coisa, noutras coisas que até gostava. Adeus às artes, veio a história e ainda antes as notícias. Tão imaturo, o jovem adulto dos mais palermas. Tão infantil que mimetizou nos cigarros e whisky.
.
Sempre os demónios à solta, desprendendo a líbido, fazendo dele um crocodilo manso, que magoou sem perceber nada, chame-se-lhe egoísmo ou imaturidade, e ficou com dores de arrependimento para o resto da vida. Tão infantil que um dia acreditou no amor eterno vivido na carne.
.
Tão infantil que acreditou na subida permanente e na satisfação no trabalho. Um dia caiu e houve poucas mãos. Respirou e um dia perdeu quase tudo e o amor, e uns dias mais um grande amigo matou-o sem explicação, e matou-se depois e sobreviveu para continuar a morrer, suicidando-se por teimosia, e ficou com dores de arrependimento para o resto da vida.
.
Felicidades breves e pela líbido conquistou relampejante um amor, dois amores, três amores, quatro amores, cinco amores, seis amores, todos desamores e ficou com dores de arrependimento para o resto da vida.
.
Dinheiro. Uma risada de tristeza e de lágrimas rasas nos olhos, mas em repuxo na intimidade. Trabalho? Incontratável, imprestável, evitável – quando um patrão perguntou, a amiga disse que era complicado. A outra empresa e contratar e o amigo calou-se, não se sujaria recomendando, pois o afecto para uns é cunha e para outros cruz e nem vale a pena falar de competências. Podia ter sido e ter sido depois ainda, mas o amigo calou-se e ele culpando-se ficou com dores de arrependimento para o resto da vida.
.
Sentido remorsos do que não fez nem deixaram fazer. Inviável sentou-se em tédio e insónia, e em insónia prolongada viu e viu que pouca coisa valera a pena. Incomodado no tédio morreu constantemente nos intervalos em que se não tentou matar ou esteve dormindo. O sono – é antecâmara da morte – o melhor remédio para presente, passado e desejo, e culpando-se ficou com dores de arrependimento para o resto da vida.
.
O sono quando não aleijou foi aliviando e os minutos tornaram-se balas à queima-roupa, e foram anos e anos e anos e anos e outros virão. Depois um amor e de tanto imerecimento acordou com vontade de adormecer, mas queria apanhar o navio-fantasma. Ficou com dores de arrependimento para o resto da vida, com dores alheias, desejando a morte, mas preferia inexistir, porque inconseguiu muito.
.
Dos pontapés na escola, à traição inexplicável, às quedas e às poucas mãos da ajuda, e outras poderiam ter estado, mas ele era complicado e o melhor foi não recomendar, e outras poderiam ter estado se o silêncio não lhe tivesse sido mais útil do que o afogamento em pestilências do náufrago, que ficou com dores de arrependimento para o resto da vida.
.
E dos seus defeitos, erros e falhanços, que foram tantos, ficou ainda com mais dores de arrependimento para o resto da vida.
.
Quarenta e cinco anos e meio escrevem-se com as oito letras do falhanço. É o que acontece quando nasce um nado-morto que ficou para viver. As coisas boas são poucas, talvez dez e por pudor não conta para que não tenha mais dores de arrependimento para o resto da vida.
.
Para repousar dorme e às vezes tem descanso e outras calvário, é melhor do que. Pergunta-se se a vida existe e se está vivo. Distrai-se inventando-se actor num teatro vazio, onde as cortinas de flanela negra têm buracos das traças e fantasmas de corvos observam e fantasmas de gente observam, dizem e gritam. É de arame, o veludo. A sala negra é de negrum, porque negrume é mais claro. Aí se esconde e lambe as feridas das dores de arrependimento, que viverá para o resto da vida.
.
A Terra é redonda e dentro só há negro e fora também.

Sem comentários: