segunda-feira, maio 25, 2015

Não sou de cá nem de lá nem sei

.
Durmo e nem sempre foi assim. Houve uma vida em que os anos tinham trezentos e sessenta e cinco dias, às vezes mais um, e vinte e quatro horas dividiam-se.
.
É um país longínquo, uma memória escurecida da luz que me punha a sombra atrás dos passos.
.
Contos os anos da distância, muito mais longa do que a soma dos anos.
.
Entre o agora e o antes há um corredor de ausência, um tubo psicadélico, um atalho no espaço-tempo em inverso.
.
Não voei nem flutuei, arrastado num turbilhão de opiáceos – julgo pelo que dizem da papoila dormideira.
.
Se morri, se ainda morto, se já vi ou se sempre vivo. Era outra vida, outro planeta, outros e.
.
Não tenho saudades, mas remorsos de culpas alheias.
.
(suspiro abafado por decoro)
.
Mãe, faça-me nascer e dê-me colo.

Sem comentários: