quinta-feira, março 19, 2015

Defenestrar

.
Nunca voltes a fazer uma coisa destas, do peito no parapeito, defenestrando-me do pudor, subindo a ti, às partes altas e partes baixas, e caídos no desejo, da janela abaixo para a cama.

Sem comentários: