sábado, dezembro 06, 2014

Tempo de paz, alegria e felicidade

.
Vai chegando o momento em que os cães negros aportam, na sua migração anual. Matilhas que manjam e largam os enfermos, por vezes abandonam-se de dor.
.
Ouviram falar deles? Há rumores, porque estas matilhas são como o Diabo medieval – que se fale pouco, não vá acordar-nos em sobressalto.
.
Escondo-me num canto tão escuro, não ouso voltar-me, não vá o brilhar denunciar-me.
.
Se o quisesse não conseguiria. O ângulo recto enleia-se e paralisa-me no desvario de fugir. Acontece sempre no Natal.
.
A trepadeira do canto-negrum alimenta-se por alturas do Natal. Não diverge muito da horda negra.
.
Desfeitos, os sobreviventes recompõem-se até ao Verão, quando as matilhas fazem a migração contrária. As trepadeiras do canto-negrum florescem e frutificam.
.
Mas nos outros dias, nos dias anónimos, também surgem cães negros, atrasados na viagem e trepadeiras do canto-negrum ressuscitam e abraçam fora do tempo.
.
A dor da alma é chibo-velho – não se fale muito, pode despertar.

Sem comentários: