digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

quarta-feira, dezembro 31, 2014

À meia-noite e picos

video
.
A vida sem risco não é e ainda que fosse não poderia ser.
.
Sininhos pirosos tocam músicas pirosas.
.
Os barretes quentes, exagerados para Portugal, e as camisolas lanudas são pirosos.
.
Ah, as meias e as luvas também. Os cachecóis.
.
Agora apetece-me engolir um bolo-rei.
.
Agora quero que amanhã me apeteça passear em pelota sobre o muro do cemitério.
.
Os foguetes a estrilharem e fogo orgasmando-se na abóbada celestial.
.
Gritarei até à rouquidão para pensarem-me louco. Serei? Lá em cima serei o rei do mundo.
.
Se cair aleijar-me-ei. Se não cair terei vertigens. Se me demorar buscar-me-ão.
.
De que ficarei interno, da gripe ou da loucura?
.
Se não cair sairei pela escada dos bombeiros.
.
Antes, porque a pelota não será completa, baixarei as cuecas para mostrar o rabo aos polícias.
.
No hospital o tédio será ócio e poucas palavras darão o calor que na liberdade não tenho .
.
(Pausa de silêncio seco, suspirando)
.
Raismapartam, não entendo o que faço aqui.
.
Entre antes de vinte e cinco e depois de oito é mais assim.

Sem comentários: