quarta-feira, novembro 30, 2016

As pragas

.
Tinham dezasseis anos e namoravam desde os treze. Antes de fazerem dezassete, ela deixou-o. Disse-o baixinho numa folha amarrotada do caderno da escola. Pediu aos professores para mudar de lugar e ele pediu, não sabe a quem, para que conseguisse engolir a vida do choro sem que ninguém notasse.
.
Ainda não tinha dezassete anos quando ficou quieto, mexendo as pálpebras, segurando-as por segundos para que os olhos não vertessem. Uma tristeza danada, assobiando por sítios até aí desconhecidos. Noites de insónia e de sono por dormir.
.
Uma tristeza absoluta e inexpressável, porque ao primeiro amor veio a incompreensão. Escondeu tudo, porque nem tinha dezassete anos. Quase a esquecera, viu-a sorrindo, montando-se na moto dum rapaz que já tinha feito a tropa.
.
Ainda não tinha dezassete anos quando começou a odiar. Pediu ao Demónio para que nunca fossem felizes. Mas foram-no.
.
Pediu ao Demónio que as famílias nunca os aceitassem, afinal ele era mais velho e tinha uma moto. Era encantador e cortês e ela simpática e inteligente como dantes.
.
Pediu ao Demónio que fossem inférteis. Mas tiveram três meninas e um rapaz.
.
Pediu ao Demónio que tivessem um acidente de viação mortal ou que caísse o avião que os levava para férias. Não o satisfez.
.
Pediu ao Demónio para que ficassem doentes. Terminais e sofridos, gemendo de arrependimento: ela porque o deixara e ele porque lha roubara. Nem de dor de dentes se queixaram.
.
Pediu ao Demónio para que fossem pobres, desempregados, desvalidos, indigentes ou enlouquecessem. Ele chegou a director-geral duma multinacional e ela foi sócia num escritório de advogados, com vista para o Tejo.
.
Pediu ao Demónio equívocos judiciais, para que, pelo menos, um fosse preso numa masmorra medieval. O casal era de moralidade superior.
.
Odiava desde os dezassete anos e nunca foi capaz de amar nem de assentar nem deixou que a vida lhe. Em desespero, suplicou extremamente ao Diabo:
.
– Faz com que morram.
.
E morreram. Tantos anos juntos e feneceram com poucos dias de diferença. Ela com noventa e dois e ele com noventa e seis.
.
Odiou até desencarnar aos cem. Viveu menos de dezassete.

Continuando a andar


quarta-feira, novembro 23, 2016

Letra E


E envelhecem

.
As horas passam sem fim e os anos na luz. O tempo expande-se e incompreendo-o, não em nostalgia, são remorsos dos finais que precipitei, a calvície e a vista cansada.
.
Acordei com quarenta e tais anos, já me achara adulto aos trintas e senhor nos vintes, com responsabilidade pesada dos falhanços e da carga agravando-se.
.
Não percebi se ganhei ponderação ou perdi paciência. Sei que a vida leva-se, tem de ser, mesmo desesperançando-me. Desejo vidas como nos videojogos, recomeçar num sítio doutros dias, rever os males e aprender dos outros.
.
Crescer, envelhecer, é uma tristeza. Não é a luz nem a chuva nem o frio nem a noite nem o escuro nem o soalheiro nem o calor nem o dia nem Outonos nem Primaveras. É um bicho dentro a esgravatar, sem veneno que o mate sem lhe ser solidário no destino.
.
Os miúdos estão grandes, não tarda arrependem-se e envelhecem.

terça-feira, novembro 01, 2016

Lembrança

.
A minha vida é espera. Espero por todos, espero por quase tudo, espero que não se esqueçam, espero esquecer-me. Bastava um comboio que viesse de frente ou uma corda e um tronco e me esquecesse.