segunda-feira, maio 30, 2016

Espelho

.
Os corpos renovam-se em sete anos. Nenhum velho morre velho. Mas o espelho e as fotografias dizem do tempo. A mana não me reconhece como o bebé que se aliviou na saia nova da adolescente vaidosa.
.
Isso importa. Importa-me a paciência que substituiu a impaciência. Importa-me a impaciência que substituiu a paciência.
.
– Ser jovem é ter espírito jovem!
.
Quem diz de mente, mente. Porque ser-se bonito por dentro só encanta os feios.
.
Agora quero a calma que sinto lentidão. Os brancos e as rugas são-me indiferentes, mas não o rosto e o encarar.
.
Hoje sou mais velho do que alguns já vistos. Passaram-se os vinte cinco, quando entristeci pelo simbolismo. Passaram-se os vinte e oito, passados numa euforia cortada porque um adolescente me tratou por senhor. Passaram-se os trinta da leveza e dos terrores. Passam-se os quarenta.
.
Olho para as fotografias e não reconheço o espelho.

terça-feira, maio 24, 2016

Espera

.
Diante do vazio, não importa se gente ou dores. Nem o tempo, saltam-se os minutos.
.
A vida encurta-se quando se engana o tédio e mingua ainda plo desinteresse de a viver.
.
As nove horas da espera no ruído do hospital são um conto infantil. O receio que nenhuma criança reconhece e menos antevê.
.
A mãe desamparada é uma menina medrosa.
.
Eu, como se fosse anjo

quinta-feira, maio 19, 2016

Se uma brisa

.
A inércia e a gravidade equilibram-me. Se tivesse uma vontade, .
.
Tenho quarenta e seis anos e não sei o que faço aqui.
.
Amei as mulheres que tive de amar. Amei demais e amei demasiadas. Talvez seja a mesma coisa ou causa e consequência.
.
Gastei o dinheiro que tive. Desta vida não levarei nada e não terei.
.
Soube da bondade e estraguei. Podia ter sido bondoso e não fui. Podia ter sido inconsciente e não fui.
.
Envergonho-me de muita coisa e pediria perdão se conseguisse encontrar as pessoas. Tanto me faz das vergonhas que passei por desamor de outros, façam as suas contas, faço as minhas. Amor-próprio não tenha. O orgulho brilhou, mas resta lama. A soberba alimentou-me, tenho fome.
.
Fui sempre quem sou. É da minha natureza ser outro, que valha a pena ou tenha o meu verdadeiro préstimo.
.
Não minto e nunca roubei. Enfrentei por outros e fiquei só, mas que façam as suas contas, faço as minhas.
.
Nada me prende, nem mesmo uma corda que sustente o que me resta. Se tivesse uma corda, . E soubesse fazer nós, tivesse um tronco robusto duma árvore.
.
Se tivesse nitroglicerina trataria da cabeça e não do coração.
.
Tivesse uma brisa de vontade, enfunaria a vela da barca de Caronte.
.
Um lençol, uma vela, uma corda para a fuga.
.
Tenho quarenta e seis anos e resto.

A espera

.
À noite vou à janela e chove. Em frente, despes-te diante da rua.
.
Fico na penumbra para que te tenha.
.
Vais deitar-te e fazes amor.
.
Fico à espera dum milagre e as horas passam.
.
No outro dia, de noite, vou à janela e pode estar sol. Em frente, despes-te diante da rua.
.
Fico à espera do tempo infinito e sem data em que faremos amor.

Alcatrão

.
A vida cola-se-me como alcatrão quente. Tão negra. Tão fria.

quarta-feira, maio 11, 2016

Telecomando

.
– Boa noite querido. Dorme bem. Até amanhã.
.
– Humm…
.
– Estás a dormir?...
.
– Humm…
.
– Au! O que é isto?
.
– Humm… isto o quê?
.
– …
.
– É o comando da televisão…
.
– E por que está aqui na minha almofada?
.
– Está aí para poderes mudar de sonho.

quinta-feira, maio 05, 2016

A janela sineira

.
Tenho morrido, por coisas pequenas, notícias irrelevantes, situações da vida, é a verdade. Insignificâncias sem lágrimas, pungências desarrumadas, desilusões de embate mudo e carências esquecidas.
.
Morre-se desde o natal e sobrevive-se além-túmulo. Na dúvida vive-se dizendo valer a pena o tempo-vácuo. Para manter as aparências.
.
Escreveria sem vírgulas, a vida. Sem elas para-se-me em lavra de pontos finais ou resvala nos desvarios impontuados e segue em enganos gramaticais.
.
A banalidade da vida faz-me tristeza banal. O ouro que me encandeou é escondido e negado. A luz do dia não é nas minhas horas tardias. Se quase sempre aconteço antes, quando tardo não espera.
.
Os sinos tão solenes não cantarão a partida. Irei como vivo e desisto, gritado e mudo.