digo e o oposto, constantemente volúvel, às vezes verdade. juro pela minha alma, mais do que vinho amo a água e só me desenseda e lava, a cara, o corpo e a vergonha de ser quem não quero. os sonhos antigos são sonhos e antigos e os novos de esperar, é esta a vida a mim agarrada, se esperança existe.

domingo, setembro 25, 2016

Carbúnculo – ai lâve íu beibi

.
O meu coração é de esferovite, maltratado de injustiça clama em odor as queimaduras que incompreende, responde a essência da dor, a toxicidade devida às chamas do padecimento, e inevitavelmente contorcendo-se.

Sem comentários: