segunda-feira, junho 17, 2013

Duas pessoas, um texto estúpido e duas imagens



Se te tivesse conhecido noutra vida... fora num tumulto qualquer, com reis guilhotinados. Nesta, sou morto para te amar e tu sempre em comícios.
.
O que gosto em ti? Essa raiva de construir, que tem tanto de leite. Se te sonhasse, seria de ternura profunda e acção, como os gatos.
.
Não te conheço... o que importa, se és actriz? Tenho o mesmo direito de sonhar.
.
És do mundo e engano-me noutro lado qualquer. Gostava de te encontrar entre Vénus e Marte. Se, pelo menos, tivessemos entrecruzado o olhar.
.
Sem que nos entrecruzassemos no olhar...
.
És uma viúva negra. Querendo ter-te, sabendo-te o perigo, suicidar-me-ia em tesão.
.
Quem tem no mundo um caminho, nunca poderá amar quem não quer seguir caminho algum.
.
Quem vê passar, pode sempre desejar quem deixou para trás o aroma duma forte vontade.
.
Nunca pediria que me amasses, porque nunca se pede e amo paisagens quietas. Mas invejo quem luta e com quem se deleita.
.
Vistas de negro, de escarlate, d’ambas, doutra cor qualquer, tens na voz a locução da guerra. Vista-me do que for, terei sempre os olhos submissos.

domingo, junho 09, 2013

quarta-feira, junho 05, 2013

Livro

Quando se deseja a primeira edição dum livro é por amor às letras, para fazer amor com uma virgem.
.
A mim não me importa quantas noites dormiram sem mim. As páginas arrancadas e perdidas são rugas para contar.
.
Como o pai se derramou, se entornaram as palavras.
.
A vida começa e fenece, os livros arrumam-se na estante.

Olhos bem amados





















Amar-te é um golpe baixo que dou à tristeza.

A miúda perdida

Lembro-me da temperatura da língua, que tinha a força das coisas frágeis. Que tinha o tesão da quase inocência.
.
Nada que diga faz o tempo voltar. Fiz-lhe amor dormindo ou acordado no ócio. Esmeralda perdida.
.
Não parece que foi ontem. Parece que foi nunca. E nunca foi. Um ramo de flores sem Outono.
.
Morrerei sem voltar aos lábios que me amaram por tão pouco. E sem nunca lhe ter morrido no leito.

terça-feira, junho 04, 2013

Para os dias tristes

Para te distrair destes dias tristes, qualquer coisa que não se tenha de fazer, para fazer o que dará para lembrar. Queres um beijo ou que te empurre?

Praga e piedade






























A boca é uma nascente. A mais pura não vem de cima, mas do meio, às vezes do fígado.
.
Que chores sempre que te lembres. Que te doa o meio da alma. Que arranques os cabelos.
.
O que te disse de doce será diabetes. O que disse de mal saberás quando te julgares livre.
.
Os beijos chegaram-me ao coração e vivi. Com a ausência, septicemia.
.
O corpo vive fantasma. Depois de passar, penar ainda mais, até que a eternidade se esqueça.
.
Dor de horizonte ao entardecer. O silêncio das rochas no mar.
.
Lágrimas pela piedade da vida que se cala ao entardecer.
.
Todo o choro que se tem. Todo o fingimento. Toda a dor que não tem nada a ver e se vai buscar para chorar mais.
.
Despedida e derrota. Dias amarfanhados. Até uma alegria e outra tristeza. Por diante.
.
Despedida de bílis. Faltando o sangue, sonhando a morte.
.
Sem insulto, só pena: a minha; e inveja de ti, sempre feliz.

Síndrome de Peter Pan

Se não fosse tão idiota seria mais velho.
.
.
.
Nota: Sou eu e o Marcelo.

Talibã

No metro ia um tipo com turbante roxo e barba comprida, mal enjorcada para os padrões estéticos vigentes. O tipo era escuro e enquanto o via conversava comigo:
– Duvido que na América o considerem caucasiano... É muito escuro, mas é caucasiano.
.
Fustigo-me por pensar tal coisa... o que importa? Homo sapiens sapiens; viemos todos de África, temos uma mãe comum, a tal de Eva, que, parece, existiu mesmo, assim o determina o ADN mitocondrial. Blá, blá, blá, a globalização...
.
Perguntei-me, porque não tinha mais nada para pensar, donde seria? Índia, Paquistão ou Ceilão? Poderia ser sikh... com turbante e barba? Há muitos por aí. Um talibã?... viria do Bangladesh? Há talibãs no Bangladesh? E sikhs?
.
A ideia do talibã agradou-me, mas a chatice da minha cabeça convenceu-me de que seria sikh e do Bangladesh.
.
O que fará alguém do Bangladesh vir perder-se em Lisboa? Isto é um fim do mundo, um extremo, uma Europa irrelevante.
.
Como se constata ao observar a posição geográfica, ninguém chega a Portugal por engano; não está em nenhum caminho, é um fim das estradas.
.
Que vida estúpida teria no Bangladesh para vir aparvatar-se aqui? Por que veio perder-se aqui?
.
Se fosse um talibã, pelo menos, significaria que Portugal importa alguma coisa para o mundo. Mas o gajo era sikh e do Bangladesh.
.
.
.
Nota: Se tivesse sido em Badajoz poderia ter sido para comprar caramelos.