terça-feira, abril 30, 2013

Vício público

O círculo é sempre vicioso, ao contrário da espiral.

Seguir a luz

A janela do dia, porta de ânimo e sono, entreaberta pela dúvida de sempre: ser ou estar.
.
Sem estar não serei. Porém inexisto-me em tanto lugar.
.
Com o vinho transbordo-me fora do corpo.
.
Sem água minguo-me.
.
Palavras pequenas para grandes dias de conversa.
.
Serei teu, enquanto estivermos.
.
Luz do dia e vontade de dormir.

terça-feira, abril 16, 2013

Agonia

Sofrendo deleitado, longas horas de comiséria. Fechar portas e janelas, fechar a luz, que é algo que não se fecha nem compreende.
.
Respirar – que é tão bom – é doloroso. Com o peso da força da bala que entra devagarmente na cabeça, quebrando osso e liquefazendo o cérebro.
.
A vida tem duas velocidades: parada e em movimento. A primeira é parada, e não existe, e a segunda é de vagar e rápida. Neste momento, toda a vida se resume às três ao mesmo tempo.
.
Malcriadar duma só vez é uma ejaculação de desespero. Antes isso do que usar uma serra-eléctrica para cortar presunto ou melancia. Tudo para não rasgar gargantas nem desfazer as veias dum pulso.
.
Não é explosão nem implosão. É explosão para dentro. Comer muita terra e escaldar a cabeça no Sol forte. Suar e ter a camisa colada pelo suor e poeira. Querer banho e não ter onde banhar-se. É tudo isso, agora.
.
Não é raiva, é miséria.

quinta-feira, abril 04, 2013

Vagalume

O vago sorriso das árvores e a sua sombra quieta, vislumbres do Paraíso. Ainda que passem carros e estrondem suas vozes, nada apaga a lembrança melancólica dos dias de Verão passados a sós.
.
À noite, vagalumes imaginários confundem-se no céu da cidade. Suspiros da memória dos amores adolescentes... apenas dos descorrespondidos. Amores frágeis, sem confissões nem beijos. Horas de sexo imaginário.
.
A noite torna-nos adultos, quando não nos deitamos. Meninos, quando embalados no sono, sorrindo como sorriem as mães.
.
O silêncio das casas, os passos perdidos, a inquietude. Gatos-afectos. Gatos-esperança. Gatos-mata-angústia. O que acontece de noite.
.
O sorriso dos velhos, linha quebradiça que separa a vida da morte. Sorriso tímidos, duma alegria baça, ternura por qualquer coisa que quem não é velho não sabe entender.
.
Luz tímida e ar. Ar e não vento, porque o vento tem temperamento onde o outro tem alma. Tempo de passar, tédio alheado, enquanto cenas da vida se sucedem, para depressa se esquecerem. Passa a vida e resta a esperança de reencontrar quem se perdeu.
.
O Verão está a chegar e com ele a opressiva luz da felicidade. A noite quebradiça da solidão é cruel no Verão. No Inverno aconchega-nos sofrida, comiserando-se com as feridas e embebedando a tristeza.
.
Melancolia, a noite triste que é memória. A noite dos astronautas.
.
Vaga luz, a esperança não tem rosto. Riscos de rasto, luz dispersa para contentar a noite.  Vagalumes.
.
.
.
Nota: sim, sei que é vaga-lume.

Poesia

























Os poetas dizem umas coisas e os outros sentem-nas.

segunda-feira, abril 01, 2013

Agonia

Caminho cruzado com a morte, berma de desejo. O problema moral do desejo e a consciência da solução. Sinto o arrepio do envolvimento e a agonia da vergonha. A tristeza de todos os dias tristes, num repente chegados. A boca amarga, desejando a doçura do limão. Chegados aqui... é voltar para a cama e esperar que os dias passem. Que a vida faça o que tem de fazer. Dormir para que a consciência e a vergonha não doam.

Memória das coisas

A memória estúpida das coisas. Será que toda a memória é estúpida e bom é não lembrar... as coisas estúpidas têm memória longa. A dor prolonga-se em sabor. E as coisas que valem a pena? Passam depressa e são esquecidas. Para que se quer a memória? Rancor, amor e perdão... tudo isso. Mas o que queria mesmo era esquecer. Não ter vivido e talvez não ter nascido.