sábado, março 16, 2013

Madrugada

Há uma madrugada no horizonte e cai-se na ressaca de música, julga-se. Está fresco, noutro dia seria frio. Se pudesse adiava o raiar e ficava imóvel, menos nos olhos, perante o mundo finito que a vista concede.
.
Não é apocalipse é big bang. Mas não é nascimento, é uma sempre-morte.
.
Sim, pode ser Lisboa. Lisboa e suas lágrimas, de noite e água chuvosa, de rio, de brilho lavado e de silêncio moribundo.
.
Onde mais, perguntam-se afirmando: Onde mais?

sábado, março 02, 2013

Oz

O som do tempo. A luz mágica das terras invisíveis. O vento.
.
Todas as palavras que definem cidade e todas as que dizem casa. Todas as palavras que dizem mistério e todas as de luz.
.
Nesse sítio de Oz emerge como uma santa, em brilho, paz e música, a musa do doce olhar. Traz a tranquilidade do dia perfeito e a luz do arco-iris. Toda feita de zen e açúcar.
.
Vem com cânticos gravados na alma, rejubilando quem a ouve. Espera resposta à sua promessa e a recompensa de abraço.
.
O som do tempo. Dois anos menos uns minutos, quase. O relógio nunca se atrasa, por vezes perde-se. Encontram-se as palavras nos olhares e as almas nos abraços.
.
No sítio de Oz é sempre amanhecer e a água é doce, fresca de nascente. Passarinhos a piar? Pode ser. Pode ser o que se quiser desde que em paz.
.
Trovoada, só na queda livre. Uma mão amparará sempre, porque Deus está em Oz. E Oz fica onde se está de olhos no amor e a boca na boca.
.
As falas de jura e enlevo podem ser nuvens claras ou lençóis estendidos no amor. O som do tempo, cantata de anjos.
.
Sonha-se com a terra que se vive, uma qualquer paisagem. Zen em Oz, sempre com o amor amado.

Pecado

Sem pecado não há Paraíso.